sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

RESISTIR AO GOLPE MIDIÁTICO E DO STF!

Hoje, o Brasil está de luto!

Nossa democracia, na violação de nossa Constituição de 1988, foi enterrado com a decisão do STF hoje!

O Brasil não suporta mais tutores do processo democrático!

Viva o povo brasileiro!




sábado, 15 de dezembro de 2012

Até quando o PT continuará imobilizado?


sábado, 15 de dezembro de 2012

FHC, Lula, o PT e a “burrice”

Por Altamiro Borges

Nesta semana, o PT sinalizou que reagiria à ofensiva da direita midiática e partidária contra o ex-presidente Lula. O líder da sigla na Câmara Federal, Jilmar Tatto, conseguiu aprovar na Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência um “convite” para que o chefão dos tucanos, FHC, preste esclarecimentos sobre a temida “Lista de Furnas” – documento que revela o desvio de recursos da estatal mineira para candidatos do PSDB. Ele também anunciou que o partido investiria na criação da CPI da Privataria Tucana.

A reação, porém, parece que não demorou muito tempo. Hoje, segundo o satisfeito blogueiro da Folha, Josias de Souza, o líder do PT no Senado descartou a iniciativa do seu companheiro de partido. “Em conversa com o blog, Walter Pinheiro (BA) censurou: ‘A comissão traz a inteligência no nome, mas agiu com burrice’. Pinheiro se articula com outros líderes governistas – à frente Renan Calheiros, do PMDB— para ‘repor as coisas nos seus lugares’. Como assim? ‘Esse ato tem que ser revogado’”, relata Josias.

Ausência de estratégia das esquerdas

A informação, se confirmada, evidencia a ausência de uma estratégia para fazer frente à nova investida da oposição demotucana e de sua mídia para desconstruir a imagem do ex-presidente Lula – e, na sequência, para fragilizar o governo de Dilma Rousseff. Enquanto o PSDB, o DEM e o PPS requerem a abertura de investigações contra o líder petista, com base nas denúncias requentadas do publicitário Marcos Valério, as forças de esquerda, em especial o PT, mostram-se acuadas e confusas. Cada um dá tiro para um lado.

Alguns setores pregam que é preciso reagir à altura, desmascarando o falso moralismo udenista da direita. Eles avaliam que está em curso uma onda denuncista para derrotar o projeto político inaugurado por Lula. Ela teve início com o midiático julgamento no STF do “mensalão petista”; prosseguiu com a tentativa de vincular o ex-presidente a Rosemary Noronha, ex-chefe do gabinete da Presidência da República em São Paulo; e agora ganhou novo fôlego com as acusações sem provas do condenado Marcos Valério.

"Birra inconsequente" de quem?

Já outros setores querem evitar o confronto político e defendem a busca da conciliação e da paz universal. “Não podemos permitir que fique a impressão de que a atividade política virou uma birra inconsequente”, teria dito Walter Pinheiro ao blogueiro da Folha. Mas de quem é a “birra inconsequente”? Dos setores que apoiam Lula e Dilma ou das forças de direita que perderam as três últimas eleições presidenciais e não abandonaram as suas táticas agressivas? Afinal, quem está agindo com “burrice”?

A direita midiática e partidária já deixou explícito que não abandonará sua estratégia demolidora, sua “birra inconsequente”. Ela não tem outra saída, é uma questão de vida ou morte. Sem programa e sem nomes fortes – o cambaleante Aécio Neves não convence nem os tucanos –, ela só tem o discurso moralista como arma. Como no passado, a direita mais suja do que pau de galinheiro vai insistir no falso discurso ético. Ela também apostará no quanto pior, melhor – no caos econômico. Mas não tem segurança sobre esta hipótese.

Já as forças de sustentação do governo estão na defensiva. Durante o julgamento do “mensalão”, a visão pragmática, que se exacerba em períodos eleitorais, acabou vingando e a reação à politização do processo foi tímida – para não dizer inexistente. Agora, com o tiroteio deflagrado a partir do caso Rosemary e das acusações do chefe do valerioduto, até se esboçou uma reação. Mas ainda há muita gente que vacila e teme o confronto, que prefere os conchavos de bastidores à politização da sociedade. Lamentável!

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

DIREITOS DE CIDADANIA



Estamos chegando a mais um fim de ano e, novamente, os cidadãos e cidadãs homossexuais estão sem garantias de uma ação efetiva do governo e da sociedade contra os crimes de ódio e preconceito dos quais são vítimas. É mais um ano que passa sem que a tipificação da homofobia seja um instrumento mobilizador e    ágil contra aqueles que cometem o crime da exclusão de direitos de cidadania garantidos a outros setores sociais também fragilizados em uma sociedade capitalista, competitiva, excludente e patricarcal.

Já não bastasse nossa Presidente da República dizer que a homossexualidade é "uma opção" e que ela não faria propaganda de tal situação, a comunidade de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais (LGBTT) tem que sofrer com as piadas infames na mídia, com o terror religioso que as igrejas promovem e com a total falta de preparo dos educadores, policiais e outros agentes públicos em tratar com igualdade e respeito pessoas que pagam em dia seus tributos!

Países vizinhos, com cultura semelhante e laicos como o Brasil já estão promovendo legislação que garante direitos iguais à população LGBTT. Argentina, Uruguai, Chile e, até, estados norte-americanos (tão influenciados pelas mesmas igrejas pentecostais que temos no Brasil) e o Presidente dos EUA promovem leis (e as aprovam) que diminuam a violência e as desigualdades que os homossexuais são vítimas.

O Brasil tem um histórico de defesa da cidadania. Nossas crianças e adolescentes possuem um estatuto que lhes garante direitos e deveres deles próprios, dos governos e da sociedade. E, mesmo com essa legislação são vítimas também do terror da "turma da bala", daqueles que defendem a maioridade penal aos 16 anos! Gente despreparada e que não estuda o processo de formação de personalidade, educacional e cultural dos seres humanos. Uma parcela minoritária que já foi derrotada no campo político e institucional mas que conserva seu ódio interior aos nossos seres em formação, lado mais frágil da falta de políticas inclusivas, principalmente para as crianças pobres, negras e que vivem em famílias que necessitam de seu trabalho para poderem viver.

O estatuto da criança e do adolescente, de 1990, é considerada uma legislação moderna pela Organização das Nações Unidas. É um instrumento decisivo para o estabelecimento de cidadania para milhões de brasileiras e brasileiros, eternamente sob o ataque de uma sociedade conservadora e que não se importa com os destinos daqueles que não sejam ricos, brancos e cristãos. http://pt.wikipedia.org/wiki/Estatuto_da_Crian%C3%A7a_e_do_Adolescente

Mesmo com uma legislação que proíbe a violência contra as crianças  e adolescentes, há resistência dos setores reacionários a uma lei que a veda inclusive aos membros da família o exercício dos castigos físicos e morais ( Lei da palmada http://pt.wikipedia.org/wiki/Lei_da_Palmada ). Logo vem os facinoras a dizer: "eu apanhei em criança e não morri por isso". Esse tipo de pensamento é daqueles que são mais cruéis,porque internalizaram a tortura que sofreram e não se libertam deste pensamento desmoralizador das ações de carinho e amor que todos desejamos aos nossos seres mais frágeis.


Na outra outra ponta estão nosso idosos. Pessoas que se dedicaram a vida toda a formar suas famílias ou que trabalharam duro e chegam abandonadas e esquecidas por suas "famílias" em asilos ou vivem sós, largadas da proteção devida pela sociedade àqueles que contribuíram tanto para que chegássemos mais prósperos aos dias de hoje. Uma população fragilizada pela perda contínua dos sentidos e forças dos músculos, sem atendimento psicológico, médico de qualidade e atendimento ágil. Nossos idosos ainda clamam por mais políticas inclusivas e sociais. É necessário que as pessoas os entenda e os respeite na sua integralidade pois quando chegamos a uma idade avançada nada é igual ao que era antes, nada e ninguém passam a ter uma presença maior nas suas vidas. Familiares amados, amigos presentes e toda sorte de companhia esfumaça com o cotidiano de sobrevivência a todas as dificuldades pelas quais passam.

Os idosos são tesouros ambulantes de histórias e cultura. Testemunhos de épocas passadas, vivências diferentes e sobreviventes de um mundo desigual eles se tornam referência do que pode ser crível para a melhoria da sociedade. Sua ação pré existente definiram nosso imaginário e com isto nos tornamos cada vez mais responsáveis para que tenham uma vida melhor.

Os idosos necessitam, inclusive, que estejamos sempre alerta para as violências que sofrem sem saberem disso. É preciso que conheçamos o Estatuto do Idoso pois dessa forma temos uma orientação dquilo que podemos colaborar: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.741.htm


As mulheres também são vítimas da violência machista e religiosa. É cada vez mais patente que a superação desta forma de exclusão e tortura é dado pelo conhecimento dos instrumentos legais colocados à disposição das mulheres. É uma pena que o Brasil sempre corre atrás de outras nações em termos de direitos aos setores mais sensíveis à exclusão. Só nos anos 70/80 do século XX se tornou possível dar fim a um casamento:  http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=11574&revista_caderno=14

Enquanto isso, o aborto e o direito da mulher dispor de seu corpo livremente tratado como crime. Esta influência maléfica de setores religiosos (que atrasaram tanto a escravidão e o divórcio) tem se tornado um promotor da morte e sofrimento de milhares de mulheres e famílias que querem planejar um futuro melhor para si e para seus descendentes. Estes irresponsáveis colocam suas crenças como superiores ao regime das leis que devem reger a vida comum de um país, de um povo. O convívio humano só encontra a paz e o respeito mútuo se todas as forma as de pensamento estão contempladas na legislação, na Constituição. A nossa, de 1988, é considerada como "cidadã", portanto pretensamente laica, o que está conforme aos primeiros passos de nossa república, proclamada em 1889 e ratificada pelo plebiscito de 1993: http://pt.wikipedia.org/wiki/Plebiscito_sobre_a_forma_e_o_sistema_de_governo_do_Brasil_(1993)

Por outro lado, a violência incontida com as ações brutais de homens machistas e patriarcais, que se consideram superiores, muitas vezes influenciados pelas religiões fanáticas, imbuídos do que consideram um legado de "deus" pela bíblia cristã ou pelo alcorão muçulmano está sendo combatida de forma mais incisiva com a promulgação e difusão eficaz da lei Maria da Penha. http://www.observe.ufba.br/lei_mariadapenha

 Todos, os progressistas, queremos que o mais breve possível tenhamos finalmente no país uma igualdade factível entre homens e mulheres.



A luta por dignidade e cidadania é contínua e complexa. Nunca podemos desistir de sonhar e propugnar por uma vida e um mundo melhor. Nossas denúncias e ações constituem as armas que dispomos para a transformação, numa revolução que nos trará uma sociedade nova, livre, democrática, justa e igualitária.



quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Ataque ao Prsidente Lula é uma desonra!


Ignomínia,

 de Thiago Orlandin


Sinto que a minha vida está se estreitando como a uma ampulheta
Me sinto alguém que tem o tempo como areia entre as mãos
E cada grão de silêncio que essa máquina opera
É como uma gota de sangue dos olhos
Pois o tempo apunhala e fere
Dos sentidos O sentido
:
E
S
T
R
E
I
T
A
 A visão
Deixando uma adrenalina que faz palpitar
Estrangula meu canto, extrapola meu pranto, coaduna choro e velas


Está acontecendo o que eu temo há muito tempo. O silêncio da maioria frente às investidas de uma minoria golpista e derrotada nas últimas eleições. Uma parte da sociedade que se entrega às aspirações de uma elite vende pátria, excludente e incompetente.
Não podemos mais errar, como já fizemos no passado, escondendo nossa indignação com a ação solapadora das instituições democráticas, da vontade popular e das iniciativas (que se concretizaram no governo Lula) de melhoria de vida da maior parte da população brasileira. Neste nosso país, os ricos nunca admitiram que o dinheiro público fosse investido em educação, saúde, segurança e na dignidade de nosso povo e país. Antes do governo do Partido dos Trabalhadores e seus aliados, o país era o paraíso dos corruptos, dos gastos públicos com interesses privados de bancos, latifundiários, empresários sem capacidade de criar e produzir. Era o país "maravilha" de toda sorte de aventureiro e ladrão. Eu não esqueço de Ronald Biggs (http://pt.wikipedia.org/wiki/Ronald_Biggs ), um ladrão que vivia entre os ricos do Rio de Janeiro e era cortejado pela Rede Globo. Este é o tipo de herói daquela sociedade podre, que ainda insiste em querer subjugar novamente a classe trabalhadora.
A acusação que o bandido banqueiro, Marcos Valério, fez nesta terça feira, contra o Presidente Lula é uma mentira que está sendo repetida pela mídia vende pátria e anti povo. O objetivo é claro: derrotar, nem que seja só moralmente, o PT e o governo federal na sociedade brasileira. Outra tentativa, das centenas que esta imprensa, sem compromisso com a verdade, divulga para destruir o que foi conquistado pela cidadania brasileira até agora.
Esta mídia partidarizada, que subsidia uma oposição sem projeto político alternativo, que seja do interesse da maioria dos eleitores brasileiros, produz, a cada esvaziamento das injúrias e das acusações sem provas uma nova ação solerte, velhaca, contra o Presidente Lula, o governo popular democrático, de coalizão e lideranças petistas e populares de qualquer lugar do país.

Temos que nos cuidar, ler o outro lado das notícias e formar nossa própria opinião. É claro que não basta olharmos como estamos vivendo. É preciso comparar com o que vivíamos, no Brasil, há mais de uma década, antes das ações governamentais do país que trouxeram esperanças e realidades novas aos milhões de compatriotas que viviam fora do mercado de consumo e do trabalho. Pessoas que acordavam de manhã sem saber se iriam comer um pedaço de pão! É, ainda, necessário comparar como estamos vivendo em relação aos povos dos Estados Unidos e da Europa. Os reacionários, os vende pátria não querem que continuemos em nosso caminho de avanços e de assunção dos mais pobres a direitos e bens de consumo que nem imaginavam que algum dia teriam.
O Brasil não retrocederá se agirmos: o que fizermos, o que produzirmos na área política e social, de efetivo, será capaz de derrotar a minoria rica, armada até os dentes de todas as formas contra o que eles chamam de classe dos "qualquer um": "qualquer um, hoje, tem carro", "qualquer um, hoje, viaja de avião", "qualquer um, hoje, come em restaurantes de qualidade", "qualquer um, hoje, pode ter um computador", "qualquer um...
Não basta escutarmos as notícias: é preciso nos mobilizarmos, atender ao chamamento para demonstração do poder popular, participar de passeatas, de tuitaços, de denúncias das acusações e das decisões que prejudicam o trabalho de crescimento da riqueza, da distribuição de renda, de conquistas de direitos e de exercício pleno da cidadania. Nosso país não é formado de palhaços como prega a oposição: nosso povo é consciente, sabe o que quer e tem participado da luta por uma Nação unida, pluralista, democrática e mais justa.
Ficar de olho aberto, sem se deixar enganar por notícias que são farsas para enganar os trouxas que ainda lambem o saco do patronato e dos ricos. Notícias que promovem a trapaça de tentar um terceiro turno em eleições perdidas nas urnas. 
Nossa união é o caminho possível para derrotar aqueles que não querem ver nosso país e nosso povo mais rico, desenvolvido, educado, democrático e cada vez mais igualitário. Na paz, porém com decisão e determinação, vamos chamando nossos amigos e amigas, nossos familiares, nossos vizinhos e todos os patriotas para enfrentar que não tem amor à causa da Justiça Social e da Liberdade.

SEMPRE UNIDOS ATÉ A VITÓRIA!

sábado, 8 de dezembro de 2012

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

PARA SEMPRE UMA OBRA DE NIEMEYER!

(foto do monumento à luta do Movimento dos Sem Terra, no Paraná)

Faleceu nosso camarada Niemeyer, dia 05 de dezembro de 2012, a dez dias de quando faria 105 anos. Camarada de lutas, de convicção comunista, solidária, igualitária e profundamente democrática. Um ser humano que, para lá de líder, um exemplo de simplicidade, de dignidade e de permanente estudo. Um intelectual do proletariado consciente, vanguarda de um mundo diferente deste, em que o imperialismo humilha e explora bilhões de pessoas, um cavaleiro da ação, da transformação radical da sociedade e de aliança permanente e indestrutível com os trabalhadores e trabalhadoras do mundo inteiro e, principalmente de nossos compatriotas.

Ele faleceu, mas não morreu o sentimento de luta de todos e todas que o admiram e o tem como prova de que é possível sonhar a vida inteira sem declinar disso em nome de um pragmatismo que exclui os mais fracos, os mais perseguidos, os mais humilhados e os mais oprimidos.  Acreditar que o mundo nunca mais terá um homem explorando outro homem, uma humanidade que acredita no internacionalismo proletário, na solidariedade entre os povos e na assunção da classe operária como a libertadora do jugo capitalista. Ter como referência nossos ideólogos e cientistas sociais que nos esclarecem a forma em que a História ocorre, como a luta de classes é o motor de mudanças, como o compromisso com o socialismo científico existente na prática diária e nas leituras refletidas ajudam a libertar nossos povos das garras das elites belicistas e excludentes. Esses são os maiores legados deixados por Niemeyer. Suas obras como arquiteto são mais um panfleto de recordação que é possível o ser humano conviver para o progresso, para o domínio humano da natureza e para o exercício da beleza proletária investida das características de cada Nação. 
( Monumento Tortura Nunca Mais, Recife, Pernambuco)

Niemeyer continua na luta através de nós, os que amamos a democracia como forma de chegarmos a uma sociedade livre de opressão e exploração. Uma sociedade onde a liberdade não seja a de explorar, de maltratar, de discriminar e de exercer qualquer tipo de movimento que diminua a importância de cada ser humano seja de forma individual, seja de forma coletiva. Niemeyer continua na luta,  através de todos e todas, construindo um mundo onde os Direitos Humanos e Sociais estejam garantidos em todo o planeta.

(Brasília - Esplanada dos Ministérios)

Nossa participação, em todo o processo de transformação radical e profunda em nossa sociedade, sempre se refletirá em melhora para que o mundo não sucumba ao terror e ao ódio de poucos por muitos, nem de muitos contra poucos. Devemos construir um mundo onde cada ser humano tenha certeza de que não será mais enganado, destruído ou rejeitado por seus iguais: o socialismo onde cada um dá o que pode e recebe o que necessita para trilharmos um outro tempo: o comunismo, um mundo onde todos trabalham para todos e não necessitam mais de qualquer força coercitiva.

Oscar Niemeyer (1907/2012)